21 jul 2014

7 anos depois…

Categoria: Au Pair is..., Viagens e Passeios

Por:

Ola meninas, depois de bastante tempo sem postar nada, estou passando aqui pra contar como anda minha vida de ex Au Pair e, quem sabe, inspirar algumas de vocês! :)

Hoje faz 7 anos que deixei de ser Au Pair, depois de uma excelente experiência de quase 2 anos. E quero dividir com vocês como essa experiência tem me ajudado a trilhar minha vida.

Há exatos 7 anos eu retornava ao Brasil, com um mix de sentimentos dentro de mim, difícil de explicar. Estava muito feliz, por um lado, por estar novamente perto daqueles que amo, mas triste por deixar pra trás todos os que conheci durante esse tempo, entre eles amigos muito queridos.

Foram 2 anos de muito amadurecimento e acumulo de experiências –  boas, em sua maioria. Decidir ser Au Pair com 18 anos, e tinha acabado de completar 19 quando embarquei. Uma menina, que nunca tinha saído da casa dos pais, indo “desbravar o mundo”. Tive meus momentos difíceis, não vou negar, mas hoje vejo que tudo valeu muito a pena. Tudo o que passei, as boas e mas experiências, me ajudou a ser quem eu sou. Conheci pessoas diferentes, lugares diferentes, formas de encarar o mundo diferentes. E, de quebra, ganhei fluência numa segunda língua.

Após minha volta, me readaptei ao Brasil e logo, com minha bagagem dos quase 2 anos de vivencia em outro pais,  fui fazer faculdade. Escolhi cursar Pedagogia, por acreditar que a educação pode mudar o mundo (após presenciar que, sim, uma boa educação pode transformar sociedades). Durante o curso amadureci, aprendi muito e mudei o modo de enxergar muitas coisas.

Quando terminei o curso, juntei uma experiência com a outra e fui trabalhar com educação bilíngue, ainda no Brasil. Mas, como muitas de vocês ainda irão descobrir, a gente toma gosto por viajar e conhecer lugares e pessoas diferentes. Em viver situações diferentes. E eu queria um pouco mais dessa sensação.

Logo que me formei na faculdade, mandei um currículo pra uma escola de educação infantil bilíngue na Alemanha. Após seis meses, entraram em contato comigo e hoje estou morando em Munique, no sul do pais, há 1 ano e 9 meses (exatamente o mesmo tempo que fui Au Pair). Tem sido uma experiência incrível, já que pude juntar o prazer de rodar pelo mundo com o de trabalhar com educação. Atualmente sou professora de inglês em uma turma de pequenininhos, com origem em diferentes partes do mundo.

Já estou com uma data, mais ou menos definida, pra retornar ao Brasil. Pretendo juntar tudo o que aprendi e vivenciei nesses quase 4 anos morando fora do pais pra tentar colocar em prática alguns dos meus ideais. Não sei o que esta por vir, mas, obviamente, minha experiência como Au Pair foi o ponta pé inicial pra tudo isso que já experienciei e que ainda experienciarei.

5 comments

4 nov 2011

A “limpeza” do carro

Categoria: Au Pair is...

Por:

downloadE olhando as fotos aqui, achei essa. Isso foi um final de semana, no inverno, que decidi limpar o carro. Fazia uns três meses que estava nos EUA e o carro nunca tinha visto um aspirador nem uma aguinha. E como era usado, geralmente, pro transporte das crianças, sujeira era o que não faltava. Me assustei a primeira vez que vi. Bem sujinho, com embalagens e restos de comidas por toda a parte. De vez em quando eu fazia as crianças pegarem algumas coisas e jogarem fora, mas não era suficiente. Algumas vezes eu mesma pegava uma sacola e ia jogando coisas fora, já que não aguentava a sujeira. Mas isso era meio inútil, já que depois de algum tempo tava tudo do mesmo jeito. E essa sujeira toda no carro, queridas futuras au pairs, é muito comum. A situação acima não era apenas “privilégio” meu. O carro de algumas amigas au pairs eram iguais, ou piores. E na segunda família que morei isso não foi diferente, mas como eu dividia o carro com os hosts, não me preocupava muito em limpar, já que eles ajudavam a sujar também. Nesse dia da foto dei um basta à sujeira, fui a um lava-rápido, aspirei o carro todinho, joguei várias coisas fora, o carro foi lavado, ficou limpinho e eu feliz por dirigir um carro limpo. Pena que não durou mais que algumas semanas.

6 comments

4 nov 2011

School Bus

Categoria: Au Pair is...

Por:

DSCF0017

Sim, assim como nos filmes, os school buses são MUITO comuns pelas ruas nos EUA, principalmente no período da manhã e  quando as aulas terminam. Muitas crianças vão pra aula de ônibus. Quando é assim, geralmente as au pairs só têm que levar as crianças até o ponto e depois, a tarde, ir buscá-las. Quando esse não é o caso e as au pairs têm que levar as crianças até a escola de carro, é bom tomar cuidado com esse monte de ônibus que circulam pelas ruas.

Quando um ônibus escolar, ou qualquer outro meio de transporte escolar, parar para pegar ou deixar as crianças, é OBRIGATÓRIO que todos os carros que estão por volta parem também, para segurança das crianças. Se for uma rua de mão dupla, os carros dos dois lados devem parar. Se essa rua for dividida, por um canteiro, por exemplo, depende da lei estadual, mas geralmente a parada não é obrigatória pra quem está do outro lado. Os estados que exigem a parada dos dois lados são Mississippi, New York, West Virginia e Arkansas.

Quando o school bus parar pra pegar ou deixar as crianças, geralmente luzes vermelhas começarão a piscar e uma placa de STOP vai aparecer na lateral do ônibus. Quando isso acontecer, não esqueça de parar o carro e esperar até que o ônibus volte a se movimentar ou que as luzes parem de piscar. As penas pra quem desobedecer a lei vão de multas a pontos na carteira de motorista, incluindo a suspensão desta.

Uma vez, quando tinha acabado de deixar as crianças na escola e estava voltando pra casa, estava meio distraída  e passei um ônibus escolar que estava pegando crianças, com as tais luzes vermelhas acesas. O motorista do ônibus deu uma super buzinada, eu pedi desculpa, mas como já havia passado, fui embora. Fiquei esperando uma multa chegar, mas ela nunca veio (ufa!).

3 comments

14 out 2011

Procedimentos de segurança em aeroportos e rodoviárias

Categoria: Dicas, Viagens e Passeios

Por:

Recentemente estive nos EUA de férias, e fiquei aproximadamente um mês viajando. Durante esse tempo, estive em NYC, Connecticut, Boston, Orlando e Miami. Andei de metrô, taxi, ônibus, avião… e tudo carregando as malas.

Após os atentados de 11 de setembro, a segurança no país foi super reforçada. Enquanto eu estava lá, houve um atentado em  Madri, o que serviu pra reforçar ainda mais a segurança. Nos aeroportos passaram então a proibir qualquer líquido na bagagem de mão. Depois de um tempinho liberaram os líquidos a pequenas quantidades. E essa regra de segurança ainda é válida. O que se permite são embalagens de até 100ml. E sim, eles são rigorosos. No trajeto entre Boston e Orlando, tinha deixado uma embalagem de xampu com aproximadamente 200ml na bagagem de mão. Eu sabia da exigência, porém não acreditei que uma simples embalagem de xampu, das médias, traria problemas.

Na verdade, o procedimento de segurança começa quando entramos no portão de embarque. Temos que tirar sapatos, blusas de frio, cintos, relógios, notebooks das malas… bem, preparem-se para isso quando forem pegar um avião nos EUA. Também há um raio X no qual as pessoas têm que passar, levantando os braços em uma determinada posição durante alguns segundos. Quando minha mala passou pelo outro raio X, um agente percebeu alguma coisa. Pediram então que abrisse a mala, e uma agente começou a fuçar nela, procurando o que o raio X tinha acusado. A mala estava “meio” bagunçada, já que após alguns dias de compra estavam sobrando coisas e faltando espaço nas malas. Ela começou a mexer mas não encontrava. E isso ela não me deixava nem relar na mala, pedindo que eu me afastasse. Enfim ela achou o inofensivo xampu de kids (levei esse pq a embalagem era menor). Como já havia despachado as outras malas, acabei jogando o xampuzinho fora. Na hora de fechar a mala foi meio difícil, e ela não quis minha ajuda novamente. Enfim conseguiu fechar  e eu pude seguir viagem.

Depois, de Orlando a Miami peguei um ônibus na rodoviária. Lá, novamente, minha bagagem foi aberta. Mas dessa vez nem o policial quis revistar. Estava muito bagunçada. Então na verdade ele só abriu e fechou, sem mesmo mexer em nada. Voltei ao Brasil de Miami, parando e Manaus. E sim, fui parada pela alfândega. Na verdade, até mesmo no voo entre Guarulhos e Nova Iorque eu fui “convidada” a me sentar e retirar meu tênis para que um agente de segurança do aeroporto revistasse-o, já dentro do túnel de entrada para o avião. Não sei se eu que não tive muita sorte, mas fui pega por todos esses procedimentos de segurança e é sempre um saco.

Na verdade isso tudo é pra apenas dar uma dica: evitem os líquidos nas bagagens de mão, a não ser que sejam em embalagens realmente pequenas (isso pode evitar situações desagradáveis) e também usem roupas e sapatos que possam ser removidos facilmente, já que nos aeroportos nos EUA você terá que passar por esses procedimentos e é sempre bom evitar dor de cabeça.

Tirando tudo isso, é só fazer as malas e boa viagem!!

1 comment

14 out 2011

Host mothers também têm blog!

Categoria: Au Pair is..., Dicas

Por:

Hoje eu estava fuçando alguns blogs sobre au pair, e lendo um comentário aqui, outro ali, descobri um blog de Host Mothers! Li alguns dos posts e achei interessante. É legal ver a opinião das host families também sobre a experiência de terem Au Pairs. Alguns comentários podem parecer meio preconceituosos, outros estereotipam au pairs de determinadas nacionalidades, mas o interessante é que as vezes nós fazemos isso também. Falamos das host families como um todo, generalizando e as vezes até esquecendo que cada uma é única.

Acredito que deve haver outros blogs parecidos, então quem souber de um, divida com a gente…

Bom, fica então a sugestão de leitura para as atuais e futuras au pairs. O blog é o AuPairMom (http://aupairmom.com/)

Enjoy!!!

1 comment