21 abr 2015

Das Amizades…

Categoria: Au Pair is..., Cultura, Dicas

Por:

Oi, meninxs! :)
Hoje to aqui pra dar um conselho sobre um assunto que aflige muitas pessoas que estão pensando em fazer um intercambio: como não surtar sem conhecer ninguém? E quais são as melhores partes de conhecer tanta gente diferente?

Nós todos sabemos que sempre leva um boooom tempo para que conheçamos pessoas e mais tempo ainda pra que a gente passe a confiar, a gostar. Imagina só que loucura se você de repente precisar fazer isso em pouquíssimo tempo? :O
E por isso, aqui vai um conselho de quem sofreu um pouquinho com isso no começo: a gente precisa se abrir mais! Não duvido que você que decidiu fazer um intercambio já seja suficientemente cabeça aberta pra conhecer o novo, mas só isso não basta. Conhecer pessoas de outras nacionalidades ajuda a não se sentir só  e a conhecer culturas diferentes e também te torna mais útil e mais apaixonada pelo seu país, como? eu, por exemplo, adoro apresentar musica brasileira pras pessoas que eu conheço aqui. Alem disso, sabendo que o maior objetivo da maioria das pessoas que vem pra e melhorar o inglês, nada melhor que conviver com pessoas que vão ter apenas o inglês em comum com você para se obrigar a melhorar cada vez mais o seu idioma. Quem nunca teve que dar aquela olhadinha básica no tradutor pra contar alguma coisa bem especifica pra alguém? :)

E, claro, isso de forma alguma te impede de conhecer brasileiros (ainda mais morando aqui nos EUA).  Mas ainda assim e bem diferente, preciso confessar que eu aprendo muito com as minhas amigas daqui e cada dia redescubro mais meu país! :)

Claro que também é necessário dizer que seu ano do intercambio também é tempo de se encontrar consigo mesmo! E a solidão? Ela faz parte e pode ser bem aproveitada! :)
Mas isso é assunto pro próximo post!!! =)

BeijoBeijoBeijo

No comments

20 abr 2015

Host families e skypes.

Categoria: Au Pair is..., Dicas, Medo

Por:

Olá meninas, hoje vim falar sobre as famílias com quem eu conversei e sobre os Skypes.

A primeira familia que apareceu pra mim parecia ótima, moravam em NJ, final de semana off, carro para au pair… era duas kids de 2 e 4 anos. Eu adorei eles, fiz um Skype com a mãe e em outro dia um com a mãe e as kids. Fiquei apaixonada, mas infelizmente ela estava entre eu e outra menina, e escolheu a outra. ):

A segunda família era de Connecticut, 3 kids entre 5  e 11. O que eu logo de cara não gostei nessa família foi o fato do schedule não ser fixo. Ia ficar  mudando toda semana. Fiz um Skype com a mãe, ela foi legal e tal, mas não bateu.

E a terceira família,  que é a que eu tive match, moram em nyc, Bronx. São três kids,  6, 11 e 13. E o schedule é otimo, porque todas as kids  vão pra escola então trabalho umas 25 hrs por semana e tenho os final de semana off.

Só não tenho carro, mas não faz taaanta falta aqui pq se usa mais o metrô mesmo.

Fiz um skype, e pra minha surpresa já tava a família toda la, mãe, pai, kids, cachorro , piriquito, papagaio…. hahaha

Depois disso trocamos muitos emails e eu fiz também um skype com a au pair que estava aqui na época. Tinha gostado  muito de tudo e tava torcendo pra dar certo, e deu.

Agora meninas, mesmo não tendo tido match com as primeiras famílias  que conversei,  o Skype foi bem tranquilo, na medida que pode ser, então vou dar algumas dicas pra vocês.

_ anote as informações que vcs tem sobre as kids. O básico, tenha o nome, a idade e qualquer outra coisa relevante que eles tiverem posto na carta, isso vai te ajudar na hora de fazer perguntas ou responder algo.

_ anote as perguntas que vc vai fazer pra família num papel e mantenha por perto na hora do Skype. Serio, anota tudo! Por que na hora a gente fica nervosa e acaba esquecendo e o Skype é o momento pra tirar toooodas as dúvidas, então pergunta mesmo.

_ se for fazer skype com as kids tenha perguntas prontas também. Coisas bobas, apropriadas pra idade,  tipo qual a cor preferida ou o nome do melhor amigo na escola.

_ esteja pronta pra responder qualquer pergunta. Eles podem perguntar  desde sobre as suas experiências com crianças até o que vc faz num dia de chuva. Então esteja preparado e não fique com vergonha por causa do inglês.  Eles sabem que estamos vindo pra cá pra aprender.

_ mostre interesse nas crianças. Antes de perguntar se vai ter carro pra au pair, lembra de perguntar sobre os hobbies das kids, se eles tomam remédio, tem alergia… sério!

Eh isso meninas, qualquer dúvida é só perguntar aqui. (:

beijoooos.

 

4 comments

14 abr 2015

Como tudo começou. 2

Categoria: Au Pair is..., Dicas

Por:

Bom, como eu disse consegui entregar  tudo no fim de dezembro. Mas aí veio natal, ano novo… e enfim em janeiro fiquei online pras familias. E começou a agoniante espera :( infelizmente  eu tinha muitos fatores que me desfavoreciam pras famílias, a idade (fiquei on com 19), o fato da cnh ser recente (na Apia vc so fica como frequent driver se tiver mais de 6 meses de carteira), e não ser infant qualified.

Esperei, esperei, esperei. Já tava supeeeer desanimada quando com QUATRO meses online apareceu a primeira familia, que eu adorei (vou fazer um post futuro falando sobre as famílias  que conversei ), mas não rolou match.  Duas semanas depois apareceu outra, e uma semana  depois apareceu a minha, que eu finalmente  tive o match, com CINCO meses on.

Maaaaas, a demora valeu a pena porque estou tendo um ano ótimo. Obviamente tem seus altos e baixos mas não PODERIA pedir por um schedule melhor.

Bom  meninas, por hoje é isso. Essa foi minha saga pra me tornar uma au pair, desde ir atrás dos docs até ficar on.

No próximo venho contar pra vcs como foram os Skypes com as famílias e o que contou mais pra mim na hora de ter um match.

Beijoooos.

6 comments

13 abr 2015

Como tudo começou.

Categoria: Au Pair is..., Dicas

Por:

Olá, meninas. Meu nome é Sabryna, tenho 20 anos e eu sou au pair no Bronx, NYC há 8 meses. Nesse primeiro post vou contar pra vcs como foi tooooodo o processo pra chegar aqui.

Bom, eu comecei a  procurar por intercâmbios quando terminei o ensino médio, pq não conseguia decidir o que eu queria estudar e morar nos estados unidos sempre foi uma grande vontade minha. Depois de muito pesquisar, encontrei sobre o programa au pair e logo me interessei pq sempre fui muito boa com crianças e era financeiramente viável pra mim, vir como estudante estava fora do meu alcance.

Como na época ainda estava com 17 anos, fui atrás dos pré-requisitos primeiro. Assim que me decidi pelo programa fui até uma creche perto do minha casa e me ofereci para ser voluntária, trabalhei lá por 8 meses e foi incríveeeel. E, enquanto isso, comecei também um curso de inglês.  Eu já sabia alguma coisa, mas não passava do básico. Me inscrevi numa escola onde a duração era apenas um ano, pq n queria ter q ficar 4 anos estudando inglês  e tb pq queria vir o mais rápido possível.  Depois do meu tempo na creche ainda trabalhei pra mais duas famílias, pq queria ter mais horas de experiência.  Pouco depois de completar  18 anos eu me inscrevi na auto escola e comecei as aulas, que infelizmente demoraram pq tem todo aquele tempo em sala de aula até poder fazer a prova teórica e depois a prática. Em outubro de 2013, finalmente  já estava com a prova prática marcada pro mês seguinte então decidi ir até a agência pra realmente me inscrever no programa.  Eu sempre participei  de muitos grupos de au pair no Facebook, e de tanto ler sobre as experiências das outras meninas, eu ja tinha me decidido pela experimento. Liguei antes agendando pq como moro um pouco longe da agência eu queria fazer todos os testes em um só dia. Fui, fiz a prova escrita, o teste online  (itep, que muitas meninas tem medo mas não eh tão difícil), a entrevista em inglês com o agente e o teste psicológico. Ele me entregou todos os papéis que eu teria que preencher e o meu login pra fazer o meu perfil. Chegando em casa já comecei a preencher tudo e fui atras das minhas referencias pra preencherem também. Na semana seguinte recebi o resultado do meu itep, tinha tirado 5 (de 1 a 6). Fui atrás de toda a papelada que precisava, histórico escolar,  carteira de vacinação,  formulário medico, todas as referencias em inglês e português… Então no fim de dezembro consegui entregar tudo e era só esperar ficar online.

 

Continua…

4 comments

12 abr 2015

Only Child: E agora?

Categoria: Au Pair is..., Dicas

Por:

Bom dia, meninas!!! Como ta o domingo de vocês? :)
Aqui – apesar de ser Primavera (te amo, meu amoooooooooooooor!) continua bem frio! :( Alias, qualquer intercambista sofre muito  nesse pais, gente (mas isso é tema pra outro post).
Hoje vou falar pra vocês como e tomar conta de uma criança só e quais são os desafios que isso pode trazer.

A primeira família que entrou em contato comigo assim que eu fiquei online tinha 5 filhos (CINCO!!!). A maioria adolescente e de cara já tinha optado por não ficar com eles porque não sabia se daria conta de tanto trabalho assim (não vale  a pena escolher só pela família, a gente precisa ver nossa disposição também). Algumas famílias depois, apareceu a minha (<3333), mas ai bateu a dúvida: Uma menina só! Como lidar?
Conversamos bastante pelo Skype antes do Match e percebi que tínhamos muitas coisas em comum. Eu também sou filha unica, e entendo bem como funciona nossa cabecinha solitária.

Apesar de todo mundo falar que uma criança só significa menos trabalho, nem sempre e assim: depende muito mais da idade da sua kid do que de quantas você tem. A minha tem 9 anos e faz praticamente tudo sozinha, então meu trabalho basicamente é levar e buscar na escola, preparar lanche e ficar com ela a tarde. Ela normalmente tem muitas atividades durante esse período, então reconheço que nem é tanto trabalho assim, então ajudo na organização aqui de casa também, mas imagino que cuidar de baby (mesmo que seja um só, é trabalho triplicado!).
Por outro lado, ser Au Pair de uma criança só exige muito mais da sua criatividade/disposição com a criança, ate porque, serão apenas vocês dois. Filhos únicos também tendem a tentar ser um pouco mais independentes e ai, vai do seu jogo de cintura de tentar fazer o meio termo entre estar perto (mas nem tao perto assim!) e,  alem disso,  possuem uma ligação bem maior com os pais (que normalmente passam o dia fora) já que não tem mais ninguém pra compartilhar o dia.
Nessa hora, vale ficar próximo das mães dos amiguinhos da escola, criar playdates com o pessoal de perto ou ate descobrir coisas que vocês dois tenham em comum (no meu caso, eu e minha kid descobrimos esse nosso amor inexplicável por musica pop!! haha) O começo é sempre mais difícil, precisa criar confiança e mostrar que você ta ali pra ajudar, e, diferente de famílias maiores, aqui  é só você e a criança – o que facilita, mas também pode dificultar o processo –  entretanto,  filhos únicos são legais, eu garanto!  😉

E vocês? Ja cuidaram de uma kid só? Como foi a experiência? :) Deixem aí nos comentários!!

Boa semana!!
BeijoBeijoBeijo

1 comment