16 set 2013

Levei uma multa nos EUA, e agora?

Categoria: Au Pair is..., Dicas, Medo

Por:

Olá meninas, tudo bem?

Uma amiga Au Pair me escreveu esses dias perguntando o que acontece quando se leva uma multa nos EUA, pois ela achava que tinha levado uma e estava apreensiva… até agora a multa não chegou, então talvez tenha sido só impressão mesmo, mas é bom não arriscar!

Se você já levou sabe como é triste ter que dar seu suado dinheirinho para pagar um multa, é um $$$ jogado no ralo, são dias ou até meses trabalhados “de graça” só pra bancar esse desfalque inesperado… por isso todo mundo quer evitar, ainda mais você que dirige com crianças e está com o carro dos outros…dá muito medo mesmo…

Quem leva fica pensando como contar aos Hosts, mas tem que contar imediatamente, quando a multa for instantânea e vc recebê-la no ato da infração, não dá pra esconder isso pois eles ficarão sabendo no registro do carro depois, o que é muito pior…então seja sincera e explique direitinho o que aconteceu e como foi, em alguns casos até se pode recorrer… mas nos EUA é mais difícil vc convencer as autoridades…

A gente morre de medo quando um carro de polícia passa pela gente, ou fica atrás, e o medo maior é quando apita, e acende a sirene, e manda vc parar, mas eles não vão te parar a menos que vc pareça estar dirigindo perigosamente ou aparente estar bêbada ou ser muito nova pra dirigir… não paran do nada, por nada, eles tem seus motivos e vão esclarecer porque te pararam, se vc não tiver bebido e estiver com todos os documentos seus e do carro certinhos, não há porque temer!

Não esqueça sua Licença para dirigir nos EUA acompanhada da sua carteira de habilitação brasileira, as duas devem estar sempre juntas! Uma valida a outra… eu passei um bom tempo andando só com a Licença e não sabia até que uma amiga contou que levou multa por dirigir sem a do país dela… fiquei esperta e logo pus a minha CNH juntinho da licença.

O medo dessa amiga foi que ela passou por um onibus escolar parado, e isso dá multa se a placa STOP estiver posicionada e piscando, pois há crianças descendo ou subindo no onibus ou atravessando a via…é obrigatório parar e esperar, nem que leve meia hora para todos passarem você tem que esperar…senão multa!! Ela não viu a placa de PARE, só viu um onibus parado no acostamento e passou por ele, mas depois ficou encucada que poderia ter passado sem ver o STOP, mas se uma semana depois do fato não chegou a multa, acredito que não tenha sido uma infração, porém todo cuidado é pouco…

Eu levei uma multa de PARKING, de estacionamento, coisa leve mas me deixo P da vida, 60 dólares no lixo! Parei num lugar que permitia 3 horas no máximo e fiquei 3h20 min… deu nisso… contei pras minhas hosts e numa boa elas assinaram a multa mas eu tive que pagar os 60 dólares, claro! Vai ser muito raro seus hosts pagarem a multa por vc…e acho muito justo que seja a AuPair que pague para aprender o quando dói no bolso receber multa e que isso nunca mais aconteça…então previnam-se pra nunca passar por isso.

É só prestar atenção nas placas, nas regras, ler o manual que todo mundo ganha quando se torna Au Pair, que não tem erro…é só respeitar as normas de onde vc está e ouvir seus hosts quando te dão dicas e te avisam sobre qualquer perigo ou regra, não ignore nunca o que eles falam, pois eles conhecem o local e sabem do que falam!

Exemplo de uma multa, como ela vem e o que está descrito nela, mas pode variar conforme o estado.

Multas de estacionamento são geralmente mais “leves” e vc tem que enviar um cheque ou dinheiro ao Tesouro Nacional e beleza. Já as multas de velocidade ou outras que ponham em risco outras vidas, você pode ser chamada à Corte para responder pela multa, tenho uma amiga que foi chamada porque estava muito acima do limite da estrada, foi lá, falou, pagou e não aconteceu nada… mas melhor evitar qualquer aborrecimento né? Afinal somos Au Pairs pra aprender e nos divertir e não para passar por maus bocados

É só ter cuidado, atenção e saber por onde anda e o que está fazendo que vc estará segura.

Kisses and Hugs!

Isa

15 comments

17 jul 2013

Estudar inglês ou aprender com o dia a dia?

Categoria: Au Pair is..., Cultura, Dicas, Medo

Por:

Olá meninas, tudo bem?

Venho pensando muito sobre este tema: Estudar inglês ou aprender com o dia a dia?

Quando se está viajando a gente pensa que vai aprender TUDO só com o dia a dia… mas não é verdade… claro que os diálogos diários, os cursos, os termos usados com a família e as kids vão fazer nosso inglês melhorar muito, pois temos que ter coragem de falar, de soltar a língua senão não nos comunicamos… mas às vezes vamos com um inglê meia-boca pros EUA e como só conversamos com crianças, estrangeiros e outros brasileiros, não temos a oportunidade de nos corrigir! Aí que a gente comete mil erros e acha que está certo pois ninguém falou nada…

Muitas pessoas tem vergonha de corrigir as outras, por medo que fiquem ofendidas, chateadas, etc… eu até prefiro quem me corrija assim não cometerei o mesmo erro outras vezes e em situações mais delicadas, quando meu inglês for caso de vida ou morte ou um emprego que necessita da língua fluente.

Eu voltei com vários vícios, vários erros, pronúncia errada, regionalismos que aprendi, por isso altamente recomendo que você aproveite que está nos EUA e converse muitoooooooooo com as pessoas, peça ajuda, peça que elas te corrijam quando falar errado, faça um curso de conversação pra ouvir o pessoal falar direito…e se não souber muito de inglês é aí que vc não deve pensar 2 vezes antes de se matricular num bom curso que vai te fazer falar bem rapidinho…e vc não corre o risco de aprender errado!

Tem muitos cursos em escolas, faculdades, igrejas, bibliotecas…eles disponibilizam muitos grupos de conversação pra estrangeiros e para nativos também em clubes de leitura e discussão de temas atuais…é bom pra vc falar melhor e se informar sobre as notícias, novidades, cultura do lugar onde vive e é ótimo para conhecer pessoas nativas e ter amigos americanos (o que é raro na nossa situação!)

Eu achava que falava super bem, me arrependi de não ter cursado algo assim ou ter pedido mais ajuda, pois as kids me corrigiam às vezes, mas muitas vezes as coisas passavam despercebidas e eu errava mesmo… e cometi muitos erros ao voltar e me corrijo até hoje em alguns termos que não aprendi direito por lá…

Fica a dica pra vcs… aproveitem o tempo e a bolsa de estudos que vcs ganham pra invetir num inglês perfeito, pois todos esperam, inclusive nós mesmas, que voltemos falando perfeitamente, afinal um ano, ou mais é um bom tempo pra se praticar!

Bons estudos!!!

Beijos

 

 

9 comments

27 jun 2013

Famílias especiais =)

Categoria: Au Pair is..., Cultura, Dicas, Medo

Por:

Olá meninas, tudo bem?

Aqui tudo certo!

Hoje vou falar sobre um assunto que pode ser tabu para algumas de vcs e super normal e legal para outras… escolher uma família especial!

Digo família especial para me referir a uma família fora dos padrões pai-mãe… por exemplo: mãe solteira, pai solteiro, mãe-mãe, pai-pai, avós que cuidam dos netos como filhos, enfim… saindo da tradicional familinha papai, mamãe e os filhinhos…

Morei com uma família gay nos EUA, eram duas mães, muito legais, muito atenciosas, carinhosas com as crianças e comigo também. Adorei fazer parte desta família, tenho-os como minha segunda família e curti muito a experiência de ver de perto como uma família especial funciona.

O mais engraçado de tudo foi quando na orientação em NY a orientadora dá características das famílias e vc levanta pra simbolizar que sua família é assim, tipo: quem vai cuidar de um bebê, quem vai cuidar de 2, 3 , 4, 5 ou mais crianças, quem vai cuidar de criança deficiente e talz, aí eu levantava toda hora: quem vai cuidar de 4 kids, quem vai cuidar de gêmeos, quem vai estar numa família gay… eu preenchia todos esses requisitos e sei que levantei umas 4 vezes, enquanto as outras levantaram uma ou 2 vezes no máximo…hehehehe.

Muita gente me perguntou porque eu escolhi essa família e eu disse que eu não tinha dúvida que eu seria feliz com eles… elas são pessoas maravilhosas que adorei desde a primeira vez que falei com elas, as kids eram encantadoras e muito inteligentes, vi que existia muito amor, respeito, carinho, atenção, cuidados nesta família e soube que eles me tratariam da melhor forma. E foi realmente assim! e as crianças lidavam muito bem com o fato de terem duas mães, todos os amguinhos sabiam, os pais deles também e todos se respeitavam muito e era natural para os coleguinhas das minhas kids que eles tivessem duas mães… a partir do momento que isso deixar de ser um tabu, as pessoas serão bem mais felizes!

Acredito que daqui pra frente aumentará o número de casais gays tendo filhos ou adotando-os pois o casamento foi liberado ontem (26/06/13) nos EUA e agora eles tem direitos como os casais heterossexuais, veja a reportagem:

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2013/06/decisao-da-suprema-corte-americana-e-vitoria-para-os-casais-gays.html

Sobre as famílias gays posso dizer que se vc chega lá de braços abertos e cabeça aberta para a situação,  vc terá a melhor das experiências, como eu tive… nunca vi crianças tão amadas e tão fofas, educadas, obedientes..foi simplesmente fantástico viver com eles durante um ano, só não fiquei mais pois tinha planos aqui pro Brasil, me achava velha com quase 27 anos pra continuar sendo babá, então voltei, mas morro de saudades e às vezes me arrependo de não ter ficado um pouquinho mais…

Os outros tipos de famílias especiais não sei dizer, mas o que eu já ouvi falar é que geralmente, como muita gente não quer trabalhar com essas pessoas, preferem uma família tradicional, eles valorizam muito quando vc os escolhe… =)…. o único problema que eu acho (não sei se é verdade) é que um pai ou mãe solteiros tendem a sobrecarregar mais a Au Pair pois são sozinhos e não tem como revezar com o companheiro(a), mas tendo avós morando por perto ou se os pais forem separados mas fizerem revezamento de cuidados com as kids, imagino que seja mais fácil e não tenha problema nenhum!! Aliás deve ser divertido ter 2 host houses, vc vai viver passeando entre os dois lugares com suas kids!

Bom, meninas, é isso que tenho a dizer… não tenham preconceito com as famílias diferentes que apareçam pra vcs… sinta-se privilegiada por eles terem te escolhido..aliás, se eles vieram até vc é porque vc no fundo, sem perceber às vezes, mas pelos resultados nos testes, tem cabeça aberta o suficiente para viver novas emoções e isso será muito enriquecedor para sua vida, te dará muito mais maturidade, como foi comigo!

Vejam esse link, uma fotógrafa registrou famílias gays em sua intimidade:

Hypeness: De que forma podemos mostrar para o mundo (para aquela parte que ainda não enxergou) que um casal homossexual é exatamente igual a qualquer outro?
Talvez a melhor forma seja conhecendo-os melhor de perto. Esse ensaio fotográfico foi criado com esse objetivo > http://bit.ly/17BYGKp

4 comments

24 jun 2013

Para treinar o inglês…

Categoria: Au Pair is..., Cultura, Dicas, Estudos, Medo

Por:

Hello girls, how are you?

Espero que muitíssimo bem!!

Como sempre rolam perguntas nos comentários sobre onde aprender inglês a jato pra fazer os testes, como se preparar pra conversar com a família, como se virar pra pegar o avião rumo à nova vida… eu pesquisei um site bem legal que além de te ajudar a aprender, vai ser útil pra vc usá-lo com suas kids, se elas forem pré-adolescentes ou adolescentes… é o site criado por uma escola de inglês, que ajuda seus alunos jovens a se inserirem na cultura americana, aprender gírias, novidades na cultura e na linguagem teen… para deixar os alunos antenados nas novidades dos EUA, como letras de músicas novas, dicas de viagens, jogos, brincadeiras, notícias e muito mais… Apesar de ser pra adolescentes é muito útil para que a gente de fora fique informada sobre as mudanças de conceitos, expressões linguísticas, novas tendências da cultura nos EUA… e também pode arrumar assunto pra falar com as kids durante as entrevistas com as famílias!!!

Conheça o Tweens…

http://www.brasas.com/tweens/conteudo/index.php

Sempre me pedem dicas de em qual escola estudar, qual curso fazer, enfim, eu não gosto de fazer propaganda aqui, mesmo porque o meu curso de inglês foi feito numa escola desconhecida, meio que particular, pois foi uma amiga da minha mãe, que se tornou uma super amiga minha que me ensinou 70% do que sei… o aprimoramento veio com a vivência nos EUA e o dia a dia com os americanos… é a melhor coisa..o melhor curso é a vida!!!

Mas achei esse método do “Brasas” (www.brasas.com) legal, e eles garantem que em 6 meses uma pessoa que não sabe NADA, pode se tornar um falante da língua inglesa… não há muitas unidades no estado de SP, mas vale a pena procurar saber mais, e se de repente eles tem cursos on line… é uma dica pra quem precisa aprender rápido… eu levei quase 7 anos pra completar meu curso..pensei em desistir muitas vezes, mas hoje vejo o quão importante foi completá-lo, me abriu portas para inúmeras oportunidades profissionais e pessoais!!!

Então meninas, vamos nos apegar ao inglês pois precisamos e precisaremos dele muito ainda… por isso se dediquem e não desistam… há muitos exemplos de que é possível sim aprender e falar muito bem, se virar, e com o tempo vc vai poder até dar informações em inglês quando parada nas ruas dos EUA e dar aulas quando voltarem ao Brasil!!!Só depende do seu esforço e dedicação…

Start Now! Good luck!

 

4 comments

18 jun 2013

As emoções de uma futura Au Pair!

Categoria: Au Pair is..., Dicas, Medo

Por:

Recebo muitos comentários das meninas que tem dúvidas, medos, angústias antes da decisão ou durante a preparação para ser Au Pair… e dentre elas uma menina em especial virou uma super amiga e eu espero tê-la ajudado de verdade nesses meses que antecederam o seu Match.

Gostei muito da história dela, das reações que ela teve a cada momento de incerteza e medo de não dar certo… mas ela manteve a calma, foi forte, corajosa, persistente e paciente e finalmente a família perfeita apareceu! Assim como aparecerá para todas que sabem esperar =)

Como eu já passei por isso também, mas já relatei e foi há quase 2 anos, pedi pra que a Karina relatasse os momentos dela desde que ela decidiu ser Au Pair até agora, a véspera do embarque… espero que vocês se identifiquem com ela e que as palavras dela tranquilizem seu coração nesse momento ´tenso´… mas lembre-se que vale muito a pena… a gente cansa, fica triste, pensa em desistir, mas se a gente não correr atrás, perde a oportunidade de viver esta incrível experiência!

Keep Calm and Enjoy Karina’s report 😉

…..

“Calma…respira…conta até 10…!

Calma, paciência…foram as palavras que mais ouvi nos últimos meses e que mais tentei praticar…Mas tem como??

-Em quanto tempo as meninas ficam online?

-Em média de duas semanas a um mês.

Eu fiquei online depois de quase DOIS meses.

Nem preciso dizer que a ansiedade já estava me deixando maluca, né? Era um tal de ligar na agência, mandar e-mail para a consultora…o que havia de errado com meu application???? NADA. Simplesmente demorou e eu tinha que me conformar em estar fora da média…umas ficam online em duas semanas, outras em dois meses, soma, divide, média é média! Tem muita menina querendo ir! Calma!

“Você está online!”

Uhuuuuuuuuu! Yes!!!

Alívio?!?

Pfffff…que nada! Por uns 10 segundos, talvez.

-Em quanto tempo geralmente as meninas fazem o match?

-Em média um mês e meio.

E lá vou eu confiar na média de novo…!

Uma semana se passou…toda hora abrindo o e-mail para ver se tinha alguma coisa.

Depois de uma semana e meia desde que havia ficado online, tcharam! Abri meu e-mail e li: “A Host Family is interested in you”! Pode parecer idiota, mas a primeira coisa que me veio à cabeça foi “as famílias existem!!!”…rsrs Corri para ler o essay e ver as fotos…! Uau! São da Califórnia…sempre sonhei com a Califórnia…troca e-mail, conversa no Skype…e…não rola!

A ansiedade volta…cadê as outras famílias??? o.O

Até que recebi o tão esperado e-mail de novo!

Não sei explicar direito, mas a cada nova família que aparecia me dava a sensação do negócio ser mais real…quando não dava certo e meu application ficava vazio, sem nenhuma familiazinha pra contar história, parecia que estava tudo tão distante…e batia um medinho sempre! Medo de mais nenhuma se interessar, medo de ficar com o application encalhado. Paciência…paciência…!

O que fiz muito nesse período de esperar o match foi ler blogs de Au Pairs e ex-Au Pairs. Foi muito bom ler as experiências de outras meninas, porque senti que eu não estava sozinha, que essa espera acontece com TODO MUNDO.

Por outro lado, li algumas histórias de meninas que tiveram umas 20 Host Families interessadas e chegaram a conversar com vááááárias ao mesmo tempo. Oi?!? Mamãe passou açúcar nelas, né? Porque o meu, coitaaado…para aparecer UMAZINHA parecia um parto!! (Se bem que, como dizem, quantidade não é qualidade, né?!)

A segunda família me deu a impressão de que iria dar certo, mas para alimentar mais ainda minha angústia, ela sumiu do nada. Sumiu mesmo, sem ao menos um e-mailzinho, necas. Depois disso decidi não colocar tanta expectativa nas famílias que aparecessem, porque poderia não rolar novamente e a decepção não seria tão grande.

Espera mais um pouco…

Nisso cheguei ao cúmulo (ou nem tão cúmulo assim) de escrever no campo de busca do Google “Au Pair demora host family”. Hahaha E foi válido, porque achei alguns blogs que me ajudaram a controlar a ansiedade, de meninas relatando a demora em encontrar uma família também.

Nessa espera apareceram cinco famílias e foi com a quinta que rolou o tão esperado MATCH!

Eu havia trocado alguns e-mails com a família e marcamos de conversar no Skype. Foi muito legal, me senti à vontade, porque eles foram muito simpáticos e eu senti que seria legal fechar com eles…mas, como havia dito, não coloquei muita expectativa para não me decepcionar depois. Alguns e-mails trocados depois, ela quis falar no Skype de novo…eu mal aceitei a chamada ela já me falou “Hi Karina!! We wanna match with you!” :O

Não sei dizer o que senti, porque parecia mentira…a única coisa que consegui responder foi “really???”…hahaha

Conversamos mais um pouco, tirei mais algumas dúvidas e respondi que queria fazer o match com eles. J A sensação de alívio, felicidade, de vários sentimentos juntos é inexplicável!

Quando, no dia seguinte, chegou o e-mail da agência confirmando o match e a data de embarque, senti uma doooor de barriga…uma dor de barriga de AGORA SIM É REAL…EU VOU MESMO!”

Mas essa sensação não durou muito tempo.

Recebi um pack da APIA e fui à Experimento agendar meu visto.

Visto…o tão temido VISTO!

Eu estava sossegada em relação ao visto, até que eu tive a “brilhante” ideia de procurar blogs de meninas que tiveram o visto negado. Não façam isso…só serviu pra me deixar encanada. As meninas colocam o maior terror, falam que o pessoal do Consulado é um absurdo de cavalo, e blá blá blá…!

Desde quando eu estava aguardando meu application ficar disponível,  converso muito com a Isabella (uma das embaixadoras do blog) e quando eu encanava com algo, era ela que me acalmava. Não foi diferente com o visto! Ela me disse para ficar tranquila, que eu tinha todos os documentos, tudo certinho pela agência, então não tinha o que temer.

Mas eu sou muito ansiosa e isso é muito difícil de controlar. Quase nem dormi na noite anterior ao dia da entrevista.

E lá fui eu ao Consulado, com todos os documentos exigidos e mais alguns que minha consultora da agência pediu pra levar. Já fui preparada para encarar a grosseria que muitas pessoas falam, mas quer saber? Não vi nada disso. Existem pessoas educadas e pessoas grossas no barzinho, no restaurante, no supermercado, e lá não é diferente! A primeira moça que me atendeu na entrada foi super simpática. Já na hora do cônsul…tchan tchan tchan…caí com o mais cara fechada né?!? C-L-A-R-O!  Ele tinha acabado de ser bem chato com a menina da minha frente, enquanto o cônsul do lado batia o maior papo animado com uma família, mas respirei fundo e fui.

A entrevista foi muito sossegada! Ele me fez as perguntas básicas, para onde vou, o motivo, se falo inglês, o que pretendo fazer quando voltar…metade foi em português e outra metade em inglês. Quando vi que ele guardou meu passaporte na caixinha do lado, já fiquei feliz! Então ele me disse “Seu visto foi aprovado. Boa viagem!”…e eu quase saí dançando aaaah lelek lek lek!!!

Meu! Que alívioooo! Que sensação boa! Aí sim me senti realmente indo viajar!!! 😀

Nesse processo todo aprendi que paciência, fé e confiança são necessárias em todos os momentos (apesar de ser beeem difícil). E o mais importante é que O QUE É NOSSO NINGUÉM TIRA! Temos que curtir cada segundo: os de ansiedade, os de alívio, os de dor de barriga, os de felicidade! Tudo faz parte dessa experiência única!

E agora bora sentir a dor de barriga de novo…das últimas semanas no Brasil, do minuto antes do embarque, da chegada em NY, da chegada à casa da host Family, da reação das crianças, da saudade de casa… 😉 “

Por Karina Shintani, que embarca pra Gaithersburg, MD, no dia 7 de julho…. Obrigada Karina pelo seu relato lindo… tenha uma ótima viagem e uma incredible life in USA! =)

15 comments