27 mar 2011

Blog para manter contato

Categoria: Au Pair is..., Dicas, Medo

Por:

Uma boa idéia para deixar todos os amigos e familiares atualizados enquanto nos States é criar um blog. Eu mantive um blog por alguns meses e depois acabei mudando pra fotolog, porque eu tinha mais fotos do que textos pra compartilhar. O Facebook é uma ótima ferramenta também, mas o blog ainda continua no topo da lista!

Não precisa se escravizar e atualizar sua página todos os dias, mas semanalmente tente escrever alguma coisa. Quando voltar ao Brasil seus amigos já farão parte de sua experiência lá fora e se sentirão mais próximos de vc durante essa jornada!

No comments

14 mar 2011

Tattoos

Categoria: Au Pair is..., Medo

Por:

Vi um comentário de uma futura au pair aqui no blog essa semana perguntando sobre piercings e tattoos. E aqui vai minha experiência.

Antes de embarcar como Au Pair, eu já queria muito fazer uma tattoo, mas fiquei com receio de fazer no Brasil e quando chegasse aos EUA desse algum problema,inflamasse, alergia ou qualquer outra coisa.

Deixei então pra fazê-la nos EUA. Várias vezes fui a tattoo shops e me informei sobre valores, horários e tudo o mais.

Até que, no último mês do meu primeiro ano, finalmente fiz a tattoo. Fiz num final de semana e meus hosts estavam

Antes de fazer minha tatuagem, com medinho.

Antes de fazer minha tatuagem, com medinho.

viajando. Na segunda-feira mostrei a eles que tinha feito. Fiz a tatuagem no pé, em um lugar que nem sempre fica à mostra. As crianças ficaram super curiosas e queria saber como eu tinha feito e, por algumas vezes, as peguei desenhando na pele, tentando imitar.

Logo mudei de família e lá não houve problema algum. De novo, as crianças ficaram curiosas, mas nada além disso.

Em nenhum momento nenhuma das host families que conversei me perguntaram se eu tinha tatuagens ou piercings e, conversando com uma ex-au pair, ela me disse que antes de ir pros EUA tinha um piercing no nariz e que tirou antes de ir, com receio da reação da host family. Porém, quando chegamos aos EUA, percebemos que muitas das Au Pairs, principalmente as européias, têm piercings, tattoos, cortes de cabelo e se vestem de maneira “exótica”.

Acho que essa é uma preocupação nossa mesmo. Se a host family não perguntou nada é porque possivelmente não irão se importar com isso. Se você sentir que deve, comunique-os antes de ir. Mas não acho que esse seja um fator limitante pra uma Au Pair.

1 comment

10 mar 2011

Dirigir X Experiência

Categoria: Au Pair is..., Dicas, Medo

Por:

Como sabem, ter carteira de motorista é um requisito básico para qualquer candidata a au pair, mas a dúvida é:  qual o nível de experiência exigida pela família?

Sabemos que a experiência no volante de cada uma varia muito, algumas vivem em cidades grandes e estão acostumadas com rodovias,marginais, transito etc, enquanto outras tem carta, mas só fazem trajetos curtos.

No universo das au pairs a regra é sempre a mesma: a experiência exigida depende da família e seja sempre sincera nas suas habilidades.

 

Num post anterior mostrei a carta de apresentação de uma das famílias com quem morei e eles exigiam nada menos do que 2 anos de experiência dirigindo.

O motivo era que eu iria cuidar de adolescentes e 80% do meu trabalho consistia em dirigir, por isso eles eram rigosos com esse requisito.

Ou seja, a experiência varia de acordo com o perfil da família, com a rotina das crianças e distâncias que serão percorridas (casa-escola/parque/library etc).

 

Dificilmente uma au pair irá dirigir por longas distâncias com as kids, eu mesma só fiz isso uma vez, para levar as kids (essas de outra family que morei) em um playdate na casa de amigos que moravam em outra cidade e nesse caso tive que dirigir nas autoestradas.

 

Basicamente o que a famílias procuram são meninas com boas noções de transito, que prestam bastante atenção e também demonstram um bom controle do veículo.

 

Quando uma au pair chega geralmente os hosts a levam para um tour na cidade, explicam como funciona o carro e deixar ela dirigir supervisionada nesse primeiro momento, foi assim comigo na minha primeira família. Já na segunda família, como eu já estava nos EUA há 4 meses, isso não foi necessário, já acordei no dia seguinte e levei todo mundo para a escola, ou seja, minha host confiou no que eu disse, imagina se quando ela vai sair de carro comigo eu faço alguma barberagem? rsrsrrs

 

Evidente que na primeira vez que pegamos o carro deles ficamos nervosas, dá medo mesmo, você fica pensando “ai meu Deua, esse carro não é meu!” rsrsrsrs, mas como a Angeline comentou, no fim tudo acaba sendo mais fácil do que imaginamos.

 

Portanto meninas, apertem os cintos que o semáforo está verde!

 

Enjoy your ride =)

 

Obs: ah, boa notícia para nós brasileiras, os americanos acham que dirigimos melhor do que as européias! minha host family já teve au pair de todo lugar do mundo e eles sempre falavam, “nossas au pairs brasileiras sempre foram as melhores motoristas”.

 

Para ajudar vocês na busca deste tópico, confira abaixo alguns posts em que falamos sobre dirigir nos EUA:

http://www.aupairis.com/driving/ 

http://www.aupairis.com/international-drivers-license-ii/

http://www.aupairis.com/cuidado-com-as-multas-de-transito/

http://www.aupairis.com/dirigindo-na-neve/

4 comments

4 mar 2011

Minha entrevista para o visto

Categoria: Au Pair is..., Medo

Por:

Fui Au Pair de 2005 a 2007 e acredito que, de lá pra cá, algumas coisas mudaram.

Quando fiz a entrevista, tive que preencher o DS-156 ao invés do DS-160. E isso era feito à mão, e não online. Mas acho que a entrevista em si não deve ter mudado muito.

Cheguei ao consulado em SP munida de uma pasta com todos os documentos possíveis e imagináveis: escritura da casa dos meus pais, documento dos carros, extrato bancário, holerite dos meus pais, carta da minha empregadora na época afirmando que, quando voltasse, trabalharia com ela novamente e tudo o mais que achasse necessário. Como ainda não fazia faculdade, não levei nada comprovando que estudava.

Cheguei com alguma antecedência e logo já entramos no consulado. Foi um bom tempo esperando até chegar minha vez. Como estava com uma amiga, que também seria Au Pair, ficamos ensaiando o que falar, tentando ouvir como era a entrevista com as outras pessoas, prestando atenção aos vistos que eram concedidos ou negados e tentando adivinhar quais dos cônsules eram os mais legais.

vistoQuando chegou minha vez, confesso que estava nervosa. Mas foi tudo muito tranquilo. Primeiro a consulesa me perguntou por que eu queria o visto (em português). Expliquei que estava indo como Au Pair pois queria aprimorar meu inglês e ter a experiência de viver fora do país por um tempo. Depois, ainda em português, me perguntou o que eu estava fazendo no Brasil. Expliquei que, como havia me formado no Ensino Médio a alguns meses, estava apenas trabalhando em uma escola de idiomas, ensinando inglês para iniciantes e intermediários. A partir daí minha entrevista foi apenas em inglês. Ela me perguntou o que meus pais faziam. Depois me perguntou um pouco sobre a Host Family (coisas básicas como o lugar que morar, idade das crianças e no que trabalham). E pronto! Meu visto foi concedido. Não me pediram nenhum documento que não fosse meu passaporte e os formulários necessários. Eu fique tão espantada com a simplicidade que ainda soltei um “That´s it?”. A moça riu e me disse pra ir até o último guichê pagar a taxa.

Mais ou menos uma semana depois, recebi meu passaporte com meu visto estampado nele!

1 comment

20 fev 2011

Probleminhas com o carro…

Categoria: Au Pair is..., Dicas, Medo

Por:

Meninas… um belo dia eu fiz uma bobeira quase inacreditável: Eu tranquei o carro com a chave dentro e o motor ligado!!! SIM!!! Eu sei que vc jamais faria isso, nem eu acreditei quando, depois de mais de meia hora, voltei pro carro e daí  não conseguia achar a chave na bolsa e vi que o carro estava quente e no contato, a chave.

Graças a Deus, minha host family tinha feito um seguro do AAA (conhecido como triple A), que nos socorre em situações como essa. Liguei pra eles (do AAA) e daí eles abriram o carro com um arame e tudo se resolveu. O bom foi q a bateria do carro não tinha arriado. E não precisei pagar por isso, pq estava incluso nos serviços de “primeiros socorros” com o carro.

Se vcs puderem fazer um seguro desse tipo, conversem com a host family. Vale muito a pena. Tem muitas vantagens. Visitem o site www.aaa.com

3 comments