16 jun 2015

Sobre comida… Será que engordarei?

Categoria: Au Pair is..., Cultura, Dicas, Fotos, Medo, Saúde e Bem-estar

Por:

Reza a lenda que se você ficar nos EUA por mais de um mês, engordará a ponto de ficar irreconhecível. Será isso uma verdade ou um https://www.acheterviagrafr24.com/achat-viagra-en-ligne-sans-ordonnance/ mito? A comida nos Estados Unidos engorda? Não querida, a comida não engorda. Quem engorda somos nós que a comemos! kkk

Brincadeiras a parte, vou contar um pouquinho da minha experiência com alimentação e peso até agora. Primeiramente, faz-se necessário admitir que nunca fui um poço de magreza. Tá bom, eu admito, nunca fui magra! Sério, não sei o que é isso. Tenho problemas com medidas desde que aprendi a contar (e a fazer comparações). Diz minha mãe que nasci com dois quilos, mas como eu não conseguia aproveitar a minha magreza naquela época, isso não conta. Já fui mais e menos pesada no decorrer da minha vida, sempre variando entre gordinha, fortinha, fofinha, cheinha, e todos os “inhas” ofensivos que se pode imaginar.

Antes de vir para cá, estava super animada com o fator peso e comida. Sempre ouvi e acreditei que 80% dos americanos eram obesos, então pensei que me sentiria em casa. Sempre passava pela minha cabeça “vou ser miss naquele lugar”. De fato eu sou, mas não no sentido brasileiro. Para minha surpresa, as pessoas que encontrei na minha região (e na maioria dos lugares por onde passo) são magras e saudáveis. Sério, de um jeito que chega a ser irritante! Todos aqui parecem estar preocupados com a alimentação e as ruas vivem repletas de pessoas caminhando e correndo, das mais variadas idades. A verdade é que me senti mais excluída dos padrões de beleza do que me sentia no Brasil. A única vantagem de ser gorda aqui é que a maioria das lojas de roupa tem setor “plus size”. Claro que é só um cantinho no fundo da loja com umas poucas opções, mas ainda assim é bem melhor que no Brasil, e o estilo é mais moderno e descolado. Mas ainda assim, somos um setor descriminado.

Porém, voltemos ao que interessa neste post: a comida! Bom, minha host family tem um padrão alimentar bem saudável, e pelo que eu converso com minhas amigas por aqui, é mais ou menos o mesmo esquema na maioria das famílias. Eles costumam comer em poucas quantidades, várias vezes ao dia, vários snacks. O café da manhã aqui em casa costuma ser cereal, toast ou ovos. Aliás, um fato interessante é que todo o pão que eles comem aqui, passa pela tostadeira antes (por isso todo pão vira toast). Mas não é torrada como a gente costuma comer no Brasil, dura e crocante. Eles torram bem pouco o pão aqui, só pra dar uma esquentada e ficar mais “firme”. no almoço geralmente eles comem qualquer coisa, não tem uma regra. O que sobrar do jantar do dia anterior, algum snack congelado, qualquer coisa mesmo, não é uma refeição muito importante. Já o jantar para eles é sagrado. Costumam jantar bem cedo por aqui, entre 5 e 6 horas. Na maioria das vezes a host mom é quem cozinha, mas as vezes eles só preparam algo congelado ou comem fora. Quando ela cozinha geralmente faz algum tipo de macarrão (tudo chamado de pasta) e alguma carne. Nunca os vejo comendo fast food.

E por falar em fast food… É engraçado de ver a diferença cultural entre os países. Enquanto no Brasil fast food é comida “de status”, aqui pertence mais a classe econômica baixa. Inclusive por causa dos sildenafil 100 mg ligne nasl kullanlr preços. Um lanche básico aqui do Mac custa a baratela de 1 dólar. Sim, pasmem! Então o que acontece é que nós “au poors”, pobres intercambistas, tendemos a vir para cá com a opinião brasileira de que fast food é chique. E como aqui é muito barato, se não tomar cuidado engorda mesmo! A vantagem dos restaurantes fast food é que você paga o valor do lanche e pronto (talvez com alguns centavos de acréscimo da taxa). já nos restaurantes tradicionais (de comida de verdade), além de se pagar mais caro, há o fator TIP, a legendária gorjeta do brasil (que até hoje nunca vi ninguém dar no nosso país). Aqui a tal da TIP é quase que obrigatória. Não que você vá ser preso se não der, mas corre o risco de comer algo cuspido na próxima refeição, ou de ser maltratado. Então como fast food é a opção mais barata e prática, acabamos optando por ela muitas vezes (sim, eu confesso!).

Claro que se você leu até aqui, deve estar se perguntando: e eu que vos escrevo, será que engordei (ainda mais)? Para a surpresa de todos, não! Felizmente estou sabendo manter o controle. Já tive momentos de desespero, em que pedi salada, hamburger, batata frita e refrigerante e comi tudo numa só refeição (e passei o resto da semana arrependida). Mas para cada extravagância cometida, é um dia sem jantar compensado com muito exercício na academia. É preciso ter

consciência, porque não são poucos os casos de meninas que engordam por aqui… Aliás, posso dizer que dos poucos gordos e gordas que vi por aqui, uns 80% eram estrangeiros, e desses 80%, uns 90% latinos. Sim, o pessoal do gingado fica enlouquecido! E quanto a história dos americanos serem obesos, pode até ser verdade, mas não na região onde vivo. Talvez porque vivo numa região de classe econômica média-alta, e a posição financeira influência muito nos hábitos de vida, inclusive os alimentares. Então, sinto muito, mas verdade seja dita: não conheci nenhum gringo gordo e rico!

Quanto a preocupação de algumas meninas em se adaptar com a comida daqui, não creio que seja um problema. Minha host family (que é excelente comigo) sempre me pergunta o que eu quero que eles comprem pra eu comer. Posso colocar o que eu quiser na lista, e mesmo sem eu colocar, eles as vezes adivinham. Não falta arroz e feijão em casa, então se eu quisesse poderia comer a mesma coisa que eu comia no brasil, todos os dias. Só que eu penso que se a gente vai pra outro país pra fazer exatamente o que já fazia antes, melhor permanecer no conforto de sua casa, com sua família. Na minha opinião, devemos vir para cá com a mente aberta, disposta a experimentar coisas novas, ao menos dar uma chance. Claro que eu amo comer uma comidinha brasileira as vezes, ou me sentir em casa em um restaurante do Brasil, mas não acho que valha a pena fazer isso todo dia.

Pra quem ficou curiosa pra saber como eu sou, essa sou eu!

Então, para concluir: os riscos de engordar aqui são os mesmos em qualquer lugar. A regra é básica, quanto mais comida, mais peso. A variedade de comida que se encontra é impressionante. Por ter muitos estrangeiros vivendo aqui, é fácil encontrar comidas e restaurantes típicos de vários países do mundo. Claro que nada vai ser igual a comida do nosso país, e haverá dias em que nos sentiremos frustradas com isso. Quanto a comida da host family, vai depender da família que você escolher. A minha, como eu já disse, me deixa livre pra comer o que quiser. Posso jantar com eles ou comer minha própria comida, não se importam. Claro que há famílias que ficam ofendidas se a au pair não partilha das refeições, e que tampouco compra comida “especial” para ela. Mas aí vai de cada uma, acho que o segredo do sucesso aqui é escolher bem a sua host family.

70-347  

1Y0-201  
C_TFIN52_66  
2V0-621  
9L0-066  
70-533  
c2010-652  
200-125  ,
700-501  
NSE4  
000-017  
LX0-104  
70-462  
70-462  
350-001  
VCP550  
70-461  
70-480  
SSCP  
AWS-SYSOPS  
300-320  
642-732  
SY0-401  
100-105  ,
70-411  
200-101  
70-178  
000-106  
ADM-201  
c2010-652  
350-050  
350-060  
HP0-S42  
70-480  
M70-101  
400-201  ,
EX200  
70-411  
100-105  ,
200-120  ,
200-310  ,
70-534  
000-104  
AWS-SYSOPS  ,
350-050  
C_TFIN52_66  
70-487  
70-534  ,
EX200  
210-065  
EX300  
70-347  
70-177  
350-029  ,
200-125  ,
OG0-093  
2V0-620  ,
220-802  ,
CISSP  ,
70-462  
N10-006  
1Z0-804  
101  
100-105  ,
SSCP  ,
200-125  ,

No comments

21 ago 2012

Outono nos EUA!

Categoria: Au Pair is..., Fotos

Por:

4.11.11 Fall (2)

Olá meninas, tudo bem?

Estão aproveitando bastante o verão? Espero que sim, pois é uma época incrível nos EUA. Todo mundo fica feliz e sai pras ruas, viaja, faz atividades ao ar livre e festas na piscina (adoroooo!) Mas como tudo que é bom, dura pouco (3 meses apenas) e está acabando…

Logo logo começa o outono nos EUA e o clima ainda está agradável, mas vai começando a esfriar, já que a próxima estação é o temido Inverno, Inferno para algumas de nós que não estamos acostumadas a ficar em casa, morrendo de frio, ver neve por todo lado e preocupar-se em dirigir com muitoooo cuidado e correr o risco de não poder sair de casa pela nevasca e etc, mas isso tudo é assunto para outro post, mais perto do inverno chegar…

O outono é uma delícia e uma lindeza só… não está mais aquele calorão de derreter e querer apenas ficar na frente do ar condicionado ou dentro da piscina, mas ainda não está frio. As cores das árvores mudam a cada semana, ou em questão de 3 dias e vc se sente dentro de um quadro de paisagem realista… as folhas caídas no chão deixam as ruas coloridas tbm e as pilhas de folhas secas viram uma cama para as crianças, que se divertem pulando nelas (o que é um pesadelo para os pais ou empregados que levaram o fim de semana todo para varrê-las e colocá-las empilhadas =/ hehehehe

As lindas cores do outono

As lindas cores do outono

O outono confere cores muito lindas e paisagens deslumbrantes por onde vc andar, e  dá pra tirar muitas fotos legais!!!

Eu adorei o outono pelo clima, temperatura e pelas imagens que eu via pelo caminho… tudo muito lindo!

Árvores vermelhinhas... parece uma pintura!

Árvores vermelhinhas... parece uma pintura!

Bom, é isso meninas, curtam bastante o finzinho do verão e o outono interinho, pois é uma delícia mesmo enquanto vc se prepara para o inverno e compra uns casaquinhos pra aguentar o frio que vem…

Essa música retrata bem o fim do verão e começo do inverno… além de ser um hit super americano que apesar de velha, essa música foi regravada e agora voltou às paradas de sucesso.

Beijos e bom outono!!!

Boys of summer – Clique aqui para ver o clipe

1 comment

20 ago 2010

Dicas de beleza: Unhas

Categoria: Au Pair is..., Dicas, Dinheiro

Por:

Mais uma dica  da sessão de beleza. Como já foi dito, e todas sabem, não é tão barato cuidar da beleza nos EUA e muitas preferem guardar o pocket money pra passear, viajar ou gastar em tantas outras coisas.

Um gasto que pode ser evitado é o com a manicure.

unhasFazer nossa própria unha pode ser bem chatinho e algumas vezes até difícil, mas não é impossível de se fazer. Quando estiver no Brasil ainda, peça algumas dicas à sua manicure, de como empurrar e tirar cutícula ou a melhor forma de passar o esmalte.

Apesar de não ser minha coisa favorita a fazer, eu mesma fazia minhas unhas com uma certa regularidade, optando por esmaltes de cores claras, que duram mais e quando não são bem passados isso não fica muito perceptível.

Outra dica é, caso você tenha uma cor de estimação, leve um, ou mais vidrinhos. Apesar de não durar o ano todo, pelo menos no começo você terá sua cor favorita. Mas lembre-se: assim como o alicatinho de unha, o vidro de esmalte deve ir na mala que você despachar, e não na de mão. A acetona deixe pra comprar lá.

Uma coisa bem comum nos EUA são as unhas de gel, que são parecidas com as acrílicas, mas têm um custo um pouco alto.

Aqui, mais uma vez, uma boa opção é reunir algumas amigas de vez em quando e cada uma colocar em prática seus dotes pra ajudar na manutenção da beleza de todas.

Helpful vocabulary:

Unha – nail

Esmalte – nail polish

Acetona – nail polish remover

Lixa de unha – nail file

No comments

29 jul 2010

Dicas de beleza: Cabelos

Categoria: Au Pair is..., Dicas, Dinheiro

Por:

Continuando na sessão beleza, aqui vão algumas dicas para cuidar dos cabelos.

Pra quem não vive sem escova e chapinha, uma dica é deixar pra comprar por lá, já que é tudo bem barato e você acha coisas boas. Caso queira levar, só não se esqueça que lá a voltagem é 110V.

Com algum tempo viramos profissionais na escova. Nas regiões onde o tempo é mais seco, o cabelo costuma obedecer mais, tornando o trabalho menos dificultoso.

cabelosPara as que têm cabelos compridos, que precisam ter as pontas cortadas (que era o meu caso, já que o uso constante do secador detona as pontas), deixo aqui duas opções: a primeira é pedir para uma amiga, com algum controle motor, para cortar apenas as pontinhas; o outro jeito é colocar em prática o que aprendemos na TV e jogar TODO o cabelo pra frente e nós mesmos cortarmos, em linha reta se possível, as pontinhas. Tenha uma tesoura boa e específica para isso. Desse jeito, o cabelo ainda ganha um corte meio repicado, já que não fica reto atrás.

No meu segundo ano eu tive muita sorte de ter uma amiga que fez curso de cabeleireira e me ajudava tanto no corte quanto na hidratação.

Para a hidratação, assim como no Brasil, há inúmeros produtos disponíveis, para todos os tipos de cabelo, a preços acessíveis em lojas especializadas ou mesmo nas farmácias (como CVS ou Walgreens).

Novamente, se quiser, ou precisar muito ir ao cabeleireiro, não esqueça da tip (15 a 20% do valor do serviço).

3 comments

29 jul 2010

Dicas de beleza: Depilação

Categoria: Au Pair is..., Dicas, Dinheiro

Por:

Como já é sabido, cuidar da aparência nos EUA não é tão acessível quanto no Brasil, quando a questão é o valor que se paga nos salões. Diferentemente do Brasil, se formos ao salão toda semana fazer unhas, escova, depilação e seja lá o que mais, não sobra dinheiro pra mais nada.

Como Au Poors, o jeito é se virar com o que temos e com nossas habilidades (e das nossas amigas). Como já foi dito num post anterior, o melhor é se juntar com as amigas e cada uma ajuda no que souber fazer.

No caso da depilação, eu ajudava algumas amigas quando solicitado, mas conseguia me virar bem sozinha.

depilacao114_1Assim que cheguei, comprei uma maquininha chamada Satinelle (ou epilator), da Philips, que arranca os pelos direto da raiz, mesmo que eles estejam ainda pequenos. Há de outras marcas também, como Panasonic, Braun e Révlon. Eu comprei no amazon.com e, atualmente, um aparelho desses sai por mais ou menos U$40. Mas confesso que é dolorido e só o usava para as pernas, mas há quem arrisque em outras partes do corpo.

Para o buço, eu usava um específico para a região (upper lip), que é um creme que se passa, deixando por uns 15 minutos e depois, com o enxague, os pelos saem. Eu usava da marca NAIR, que você pode encontrar em farmácias como CVS ou Walgreens. Antes de usar, faça o teste indicado pelo fabricante, para não correr o risco de alergia ou manchas na pele.

Já para a virilha (bikini area), achei um pote de cera, também nessas farmácias, que é esquentada no micro-ondas por alguns segundos, no próprio potinho, e está pronta para o uso. Agora não me recordo a marca do produto, mas se você for nas prateleiras destinadas a esses produtos, o encontrará. Caso se sinta a vontade, peça para uma amiga ajudar. Se não, o jeito é se virar… rs.

Além desses citados, há várias outras opções de marcas e formatos, e cada pessoa se adapta melhor a um produto do que a outro. Caso não goste de uma opção, ou notou alergia, troque. Geralmente os preços são bem acessíveis.

Caso queira extrapolar e marcar com uma depiladora, não se esqueça do tip após o serviço, que varia entre 15 e 20% sobre o valor cobrado (o que deixa o preço mais salgado ainda).

2 comments