3 set 2012

Meu primeiro Brazilian Day

Categoria: Viagens e Passeios

Por:

526119_322971364465362_677131660_n

Vou contar um pouquinho sobre minha experiência no último Brazilian Day, realizado no último domingo (02), em New York. Pouquinho pois eu trabalho aos domingos a noite e não deu pra ficar até o final. O que vi, porém, me divertiu bastante.

Bom, como já é tradição, sábado aconteceu a ‘Lavagem da Rua 46′ e ontem verdes e amarelos se reuniram na Avenida das Américas (6th Avenue) para celebrar o dia do Brasil.

As atrações principais foram Latino e a dupla sertaneja Jorge e Mateus, mas o evento também contou com Serginho Groisman, que fez gravações para o ‘Altas Horas’, incluindo uma homenagem ao lutador Anderson Silva.

Fui com um grupo de 6 meninas: 5 brasileiras e uma coreana que PIROU no gingado que nós temos (e tinha outro jeito de ser?). Chegamos no Port Authority Bus Terminal (8th Av e 42th St) já era quase meio dia e já esperávamos pelo pior, já que ficamos traumatizadas depois do Reveillón na Times Square (tudo bloqueado, caos etc).

Para nossa surpresa e alegria, encontramos uma Manhattan tranquila e organizada. Várias barraquinhas vendendo camisetas piratas da Seleção Brasileira de Futebol, mas nada de comidinhas típicas, o que me deixou um tantinho decepcionada. Vi uma barraquinha vendendo pastel de queijo por $5 e achei um absurdo. Melhor esperar e comer um bem fresquinho na feira do bairro.

A Globo Internacional, uma das principais patrocinadoras da festa, marcou presença forte, distribuindo brindes e garantindo a cobertura do evento. Distribuíram o novo CD da dupla Jorge e Mateus, além de DVD’s.

O Banco do Brasil distribuiu camisetas, a polícia de NY distribuiu segurança e os brasileiros distribuíram alegria, sorrisos e muita energia boa.

Não encontramos tumulto, apesar de chegarmos tarde (quase na hora do início do evento), ficamos na fila e ficamos em lugares super legais pertinho do palco.

O comecinho foi bem chato por causa da longa espera e anúncios de patrocinadores. Tinha um DJ que até tentou levantar os ânimos, mas estava bem difícil.

Quase 2h00 p.m, Latino entra no palco e faz um show de quase duas horas, recheado de hits e música para balançar a buzanfa. Não sou fã do cantor, só conheço a música ‘Me Leva’, de duzentos anos atrás, mas me diverti e me diverti…Todo mundo pulando, e dançando. Ele incluiu diversos covers no setlist, então deu pra cantarolar algumas coisas.

Ele rebolou, atacou de D.J, para relembrar os tempos em que viveu e trabalhou aqui nos EUA e chorou ao contar sobre sua experiência no país e ao agradecer ao seu ‘pai’ norte-americano, a quem, pelo jeito, guarda muito carinho e respeito. Ah, e não faltou a Dança do Kuduro…

DSC_0228

Oh baby me levaaa.... (Foto: Rachel Nishioka)

DSC_0251

Latino cantou vários de seus hits (Foto: Rachel Nishioka)

Pulou tanto que teve que tirar o colete no final do show (Foto: Rachel Nishioka)

Pulou tanto que teve que tirar o colete no final do show (Foto: Rachel Nishioka)

Depois foi a vez do sertanejo, mas daí eu já tinha ido embora. Tinha q voltar pros meus ‘filhos’ loiros aqui.

O tempo colaborou muito, não estava muito calor e até ameaçou um pouquinho de chuva.

Se você ainda não conferiu essa grande festa e pretende participar do próximo ano, vá mesmo…Eu achei bem organizado e é uma boa oportunidade para ter diversão com os amigos (mesmo que não sejam brasileiros) e matar um pouquinho de saudades lá da nossa casa.

Espero que gostem das fotinhos!

Beijos

No comments

10 abr 2011

Meus presentes para a host family

Categoria: Cultura, Dicas

Por:

presentesQuando fui para a minha primeira Host Family, perguntei à minha host mother o número de calçado que ela e as crianças usavam. Assim, levei Havaianas pras crianças, aquelas com bichinhos (de borboletinha e joaninha, já que eram duas meninas) e uma de um modelo um pouco diferente do original pra host mother. Porém, os números nas Havaianas não estão muito equivalentes aos números de calçados nos EUA. Por exemplo, aqui no Brasil calço 36, uso Havaianas 37/38, e que está marcada como sendo número 6 nos EUA. Porém, meu número mesmo nos EUA é 7 ½. Assim, tomem cuidado com essa numeração. Levei um par para minha host com o número que ela me passou e acabou ficando ENORME pra ela. Pras crianças não teve muito problema, já que os pés crescem super rápido.

Também pra minha host levei um conjunto com colar e brincos, num tom meio marrom alaranjado, feito de pedras brasileiras, e ela simplesmente adorou. Usava sempre. Pro meu host levei um jogo de “resta um”, também feito de pedras brasileiras.

Fora isso, levei alguns chaveiros do Brasil, sabonetes da Natura (aqueles feitos com ingredientes encontrados no Brasil), um jogo de fazer caipirinha e bonecas do tipo “Emília” também pras meninas.

Como não dei tudo de uma vez, depois no natal fiz uma cesta com os sabonetes e dei pra minha host mother e dei o jogo de caipirinha pro meu host, e o ensinei como fazer.

Quando fui pra segunda família, como já estava nos EUA, montei um kit com chocolates como Bis e Sonho de Valsa pras crianças (não lembrei que o menino tinha alergia a tree nuts – oops). Pro pai levei um vinho, comprado nos EUA mesmo, e pra mãe dei também os chocolates, já que ela é alérgica a cosméticos/xampus/sabonetes com cheiros fortes.

Bom, ficam aí algumas dicas. Sei que há lojas aqui no Brasil com várias opções de presentes e lembrancinhas do Brasil (e foi numa dessas que comprei os presentes feitos de pedra).

Algumas outras dicas são: livros com imagens do Brasil, cachaça, camisetas da seleção brasileira, bonés, doces típicos (goiabada, bananinha, doce de leite…tudo industrializado!) e mais o que a imaginação mandar.

P.S. – pra quem for de São José dos Campos e quiser uma dica de loja com coisas legais pra levar, é só pedir 😉

4 comments

28 nov 2010

Nosso cantinho

Categoria: Au Pair is..., Dicas, Fotos

Por:

P7210021

Eu já escrevi um post falando dos meus quartos de au pair, mas eu não mostrei o meu cantinho brasileiro, que fiz alguns meses depois de instalada. Na minha mala eu garanti um espacinho para levar um álbum de fotos do Brasil, com meus amigos, família, foto de quando era pequena, da minha cidade e viagens por aqui. A minha host family me deu total liberdade para decorar o meu espaço e resolvi colar as fotos que tinha levado na parede, coloquei uma bandeirinha básica do Brasil e ficou como vcs podem ver na foto aí de cima. Aproveitem a dica para deixar seu quarto com um pouco mais da sua cara e bem baratinha, vc só precisa de durex!

1 comment

19 set 2010

O ano acaba, as amizades continuam…

Categoria: Au Pair is..., Viagens e Passeios

Por:

Algumas, das muitas coisas boas que ficam depois que o (s) ano(s) de Au Pair acaba são as amizades  que fazemos por lá. E isso não só entre as brasileiras.

Durante o programa conhecemos pessoas de todos os cantos do mundo. Há muitas au pairs da Alemanha, França, África do Sul, América Central e até mesmo algumas do Japão ou Coréia, só para dar alguns exemplos.

Nós em Connecticut

Nós em Connecticut

Depois que voltamos, a internet ajuda muito a manter o contato. Facebook e MSN são  ferramentas fundamentais que ajudam nisso.

Recentemente, conversando com uma amiga da Polônia, e sabendo que ela gosta de viajar, a convidei para vir conhecer o Brasil. Minha surpresa foi quando ela me falou que realmente viria. Decidimos uma boa data, dentro dos dias que ela poderia e, finalmente, há algumas semanas, a recebi no Brasil.

Fomos Au Pair no mesmo estado entre 2005 e 2006 e foi muito bom revê-la após 4 anos. Passamos 10 dias juntas, passeando por algumas cidades do Brasil, conhecendo um pouco a cultura do nosso país e lembrando-nos dos nossos tempos de Au Pair. Agora espero poder visitá-la na Polônia em futuro não tão distante para conhecer também um pouco do país e cultura dela.

Em Copacabana

Em Copacabana

Esse intercâmbio de cultura que o programa oferece, e não só entre nosso país e EUA, pode ser uma experiência riquíssima e é muito bom poder aproveitar as oportunidades. Não se isole só com um grupinho de au pairs brasileiras.  Permita-se conhecer pessoas do mundo todo e não perca o contato depois que voltar. Nunca sabemos quando e para onde será nossa próxima viagem.

No comments

18 jul 2010

DEPOIS DA VOLTA

Categoria: Au Pair is...

Por:

A volta pode ser difícil e depois que voltamos ao Brasil temos que continuar nossas vidas, de acordo com os planos que havíamos feito, até mesmo antes de embarcar. A readaptação pode não ser fácil, mas logo já nos sentimos  “em casa” novamente.

Como eu havia planejado ficar até julho (estendendo o segundo ano por 9 meses),sabia que chegando já ia ter que começar a correr atrás de cursinho pré-vestibular, já que meus planos eram começar uma faculdade, de preferência pública.

Logo que cheguei, recebi um telefonema muito agradável e fui convidada a dar aulas de inglês na escola em que tinha estudado por vários anos, e aceitei o convite.

Assim logo comecei a trabalhar, o que foi uma ótima experiência, e fiz matrícula no cursinho, que acabou não dando certo.

Também comecei a conhecer muita gente nova, já que a maioria dos meus amigos  não estava mais na cidade. Em alguns meses a vida estava de volta ao lugar, mas ainda havia aquela saudade (que existe até hoje!).

No fim do ano prestei vestibular e passei. No começo do ano mudei de cidade e aí, novamente, foi começar uma vida nova. Só que dessa vez foi mais fácil: já estava acostumada a morar longe da família, já sabia me virar sozinha e fazer novas amizades não foi um grande problema. Nesse sentido, a experiência como Au Pair  foi muito válida, pois me tornei uma pessoa muito mais independente e prática, aprendendo a lidar com diversas situações.

Como estou fazendo Pedagogia, minha experiência profissional como Au Pair está diretamente ligada com essa escolha do curso. Algumas meninas perguntaram se essa experiência pode ser colocada no currículo. Acredito que dependendo do que se faz, pode sim e será de grande ajuda e valia.

Outro ponto na carreira profissional pra quem volta é o inglês, que já é fluente. Quem já estava estudando no Brasil ou se formou, uma boa opção pra quem está indo é procurar cursos relacionados à profissão que se deseja (continuar a) exercer quando voltar.

Assim, dá pra aliar crescimento pessoal e profissional e tirar (muito) proveito disso depois do retorno ao Brasil. Para isso só precisamos tirar proveito de todas as situações e correr atrás do que queremos.

2 comments