24 abr 2014

Já faz 3 anos…!!!

Categoria: Atividades, Au Pair is..., Cultura

Por:

Essas quatro crianças adoráveis foram o motivo da minha ida aos EUA em 2011 e me fizeram ter uma experiência maravilhosa como Au Pair.
No último dia 18/04 fez 3 anos que parti nessa aventura que foi muito proveitosa e feliz!
Um ano longe da minha família real mas que me fez ganhar uma nova família americana e amigos que se tornaram irmãos, pois fora de casa, longe de tudo a gente se apega e escolhe quem a gente quer por perto e assim constituímos uma grande família ao redor do mundo! Miss You all my dear family and friends!
Foto: Essas quatro crianças adoráveis foram o motivo da minha ida aos EUA em 2011 e me fizeram ter uma experiência maravilhosa como Au Pair. Hoje faz 3 anos que parti nessa aventura que foi muito proveitosa e feliz. Um ano longe da minha família real mas que me fez ganhar uma nova família americana e amigos que se tornaram irmãos, pois fora de casa, longe de tudo a gente se apega e escolhe quem a gente quer por perto e assim constituímos uma grande família ao redor do mundo! Miss You all my dear family and friends! :) <3
Ando com essa fotinho deles na minha carteira e sempre tenho maior orgulho de falar deles, de contar como foi nossa experiência e do quanto sou feliz por ter conhecido “such a great family”
Por isso recomendo muito o programa Au Pair, pois ganhamos uma nova família americana e uma nova família pelo mundo, pois temos a chance de conhecer dezenas de Au Pairs do mundo todo e carregá-las em nosso coração para a vida toda como irmãs.
A experimento é sem dúvida a melhor empresa para o Programa Au Pair, pois nenhum menina que foi assessorada pela Experimento teve qualquer problema durante a chegada e a estadia… infelizmente conheci algumas que não foram muito assessoradas por outras empresas e não viveram a experiência plena e sem problemas.
Não tenha dúvidas na hora de escolher a agência, com a Experimento você vai tranquila, confia de olhos fechados pois eles cuidam para que tudo dê certo e você permaneça lá da melhor forma e volte apenas com as melhores lembranças!
Kisses for all! XoXoXo

No comments

18 jul 2010

DEPOIS DA VOLTA

Categoria: Au Pair is...

Por:

A volta pode ser difícil e depois que voltamos ao Brasil temos que continuar nossas vidas, de acordo com os planos que havíamos feito, até mesmo antes de embarcar. A readaptação pode não ser fácil, mas logo já nos sentimos  “em casa” novamente.

Como eu havia planejado ficar até julho (estendendo o segundo ano por 9 meses),sabia que chegando já ia ter que começar a correr atrás de cursinho pré-vestibular, já que meus planos eram começar uma faculdade, de preferência pública.

Logo que cheguei, recebi um telefonema muito agradável e fui convidada a dar aulas de inglês na escola em que tinha estudado por vários anos, e aceitei o convite.

Assim logo comecei a trabalhar, o que foi uma ótima experiência, e fiz matrícula no cursinho, que acabou não dando certo.

Também comecei a conhecer muita gente nova, já que a maioria dos meus amigos  não estava mais na cidade. Em alguns meses a vida estava de volta ao lugar, mas ainda havia aquela saudade (que existe até hoje!).

No fim do ano prestei vestibular e passei. No começo do ano mudei de cidade e aí, novamente, foi começar uma vida nova. Só que dessa vez foi mais fácil: já estava acostumada a morar longe da família, já sabia me virar sozinha e fazer novas amizades não foi um grande problema. Nesse sentido, a experiência como Au Pair  foi muito válida, pois me tornei uma pessoa muito mais independente e prática, aprendendo a lidar com diversas situações.

Como estou fazendo Pedagogia, minha experiência profissional como Au Pair está diretamente ligada com essa escolha do curso. Algumas meninas perguntaram se essa experiência pode ser colocada no currículo. Acredito que dependendo do que se faz, pode sim e será de grande ajuda e valia.

Outro ponto na carreira profissional pra quem volta é o inglês, que já é fluente. Quem já estava estudando no Brasil ou se formou, uma boa opção pra quem está indo é procurar cursos relacionados à profissão que se deseja (continuar a) exercer quando voltar.

Assim, dá pra aliar crescimento pessoal e profissional e tirar (muito) proveito disso depois do retorno ao Brasil. Para isso só precisamos tirar proveito de todas as situações e correr atrás do que queremos.

2 comments

14 jul 2010

A volta

Categoria: Au Pair is..., Medo

Por:

A hora da volta é um momento que pode nos tirar muitas horas de sono.Algumas meninas não vêem a hora dela chegar. Outras ficam apreensivas, pensando em como será.

Pra mim não foi diferente. Queria muito voltar pra casa, pra família, pro meu lugar…Porém, por outro lado, não queria deixar tudo “pra trás”: amigos, host family, kids…

Eu tentava não pensar muito na minha volta. Nos últimos meses tentei aproveitar ao máximo tudo que eu podia, fazendo coisas legais e passando o maior tempo possível com os amigos, que eu sabia que dificilmente iria voltar a ver. Tentei até mesmo ignorar que essa hora se aproximava.

Mas, não tem jeito e um dia chega a hora de voltar pra casa. Eu já tinha adiado essa volta, quando decidi renovar e ficar mais alguns meses nos EUA. No entanto, ela chegou.

E foi duplamente dolorosa. Em junho me despedi da família e dos amigos da costa oeste e fui passar quase um mês com os amigos e família da costa leste.

Não foi nem um pouco fácil me despedir dos primeiros, mas ainda tinha aquela sensação de que eu ainda não estava indo embora for good.

O mês seguinte eu viajei, passei tempo com as amigas, namorado, primeira host family, mas também não teve jeito. O dia da volta chegou. Eu nem sei dizer o que estava sentindo: era um mix de tristeza, alegria, saudades… na verdade eu tava meio numb. Embarquei em Boston e fiz uma parada em Chicago, e só então peguei o vôo para o Brasil. Esse tempo todo eu ainda estava “sem sentimentos”. Não chorava, não me sentia feliz, não me sentia triste. Foi uma sensação muitíssimo estranha.

Foi só quando o avião pousou em São Paulo que caiu a ficha e me bateu um desespero, como se agora tudo tivesse acabado, a página tivesse virado e que não teria mais volta.

Comecei a chorar, descontroladamente. Quando reencontrei minha família então, nem se fala. Eu simplesmente não conseguia dizer nada. Sem nenhuma dúvida eu estava muito feliz em revê-los depois de tanto tempo, mas ainda tinha o sentimento de perda, de “está tudo acabado”.

Mas isso logo passou e voltei a me sentir em casa, no meu lugar, no lugar ao qual eu pertenço. Ah, e esse sentimento foi um dos melhores que já senti. Não existe nada igual nossa casa.

Depois percebi que não, a vida não pára depois que voltamos. Ela muda, toma rumos diferentes. Há um período de readaptação e logo tudo volta ao normal. Com um diferencial: várias experiências vividas, memórias, amigos, viagens e muito mais pra gente carregar pra vida toda.

No comments

1 mar 2010

Posso Ser Au Pair Pela 2ª Vez?

Categoria: Dicas

Por:

Au Pair

Pode sim!

Em agosto de 2008, o governo americano anunciou que ex-au pairs que completaram seu programa com sucesso e estão fora dos EUA por no mínimo dois anos, podem realizar o programa novamente.

O processo e os pre requisitos sao os mesmos, a unica coisa que muda e que e necessario apresentar a referencia de trabalho com criancas assinada por sua ex-host family.

Vcs podem optar por voltar para a sua antiga host family ou arrumar uma nova, assim como ir ou nao com a mesma agencia que vcs foram da primeira vez.

2 comments

6 jan 2010

Time to come back home

Categoria: Au Pair is..., Medo

Por:

Pode ser um ano, pode ser dois anos, mas a hora de voltar chega. E quando ela chega, como nos sentimos?

Quando a gente volta todo o processo de adaptação começa do zero e aí você se lembra de todas as fases desse processo que você ouviu no dia da orientação.

Pode parecer mais simples voltar, mas posso dizer não apenas por mim, mas por muitas meninas que conheci, que a volta muitas vezes é mais difícil.

A gente aprende a amar aquela cidade no meio do nada no subúrbio. Aprende a amar as crianças que são deixam louca, a neve que quase congela, os hosts, a família dos hosts, os vizinhos, o carro automático, nosso quarto, enfim, a gente se apega muito a tudo que lá podemos chamar de “nosso” (“my kids”, “my room”, “my car”, “my house”…rsrs)…materialmente não é nada “nosso”, mas no coração é “nosso”, sim!

As amigas e AMIGAS mesmoooo….meninas de todas as partes do mundo que se tornaram nossas grandes companheiras de aventuras, meninas de tão longe, que dividiram com a gente esse sonho de ser au pair.

Além da despedida, tem o medo de ficar imaginando como será nossa vida quando voltarmos. Preocupações se vamos arrumar emprego, se os investimentos em estudos valeram a pena, se vamos conseguir realizar o que planejamos, se o inglês é bom o suficiente.

Mas a hora chegou e vamos ter que encarar tudo de frente e com a mente e o coração abertos da mesma forma que encaramos a vida de au pair.

No final do meu ano como au pair (fiquei 1 ano, renovei por 6, mas fiquei só mais 3), eu não via a hora de voltar. A saudade aperta a cada dia e eu já não aguentava mais pensar em como fazer minhas coisas caberem em apenas 2 malas.

Já no Brasil o primeiro mês é aquela euforia. Todos os dias uma festa, um encontro, uma amiga para visitar. Depois as coisas de acalmam e você começa a achar um absurso certas coisas no Brasil (fase 1 cultural shock), é como se você quisesse continuar fazendo as coisas “à americana”. Fora que a cada frase saem palavras em inglês e você se surpreende com a falta que falar inglês te faz. Logo você arruma um emprego e aos poucos vai se “desligando” e focando no presente, fazendo planos, se acostumando que no Brasil ninguém usa cinto de segurança mesmo, os políticos não são punidos, e volta a comer almoço no almoço e lanche na janta….rsrsrs

Esta foi um pouco da minha experiência. Cada pessoa reage de um jeito.

Para terminar vou colocar esta música do John Mayer que eu adoro.

Faz uma analogia do tempo com um trem, fala de amadurecimento, ficar mais velho. Na música é como se ele quisesse parar o trem e ir para casa, mas o trem não para. A parte mais legal é quando ele diz que pede um conselho para o avô e ele diz: “Não pare este trem. Nem por um minuto mude o lugar que você está. Honestamente, você nunca irá parar este trem”.

Meninas, desculpem se fui muito nostálgica, mas sempre me empolgo quando falo da minha viagem.

Stop Train – John Mayer

3 comments